O que acontece com seu cérebro quando ingere açúcar, explicado pela ciência

O que acontece com seu cérebro quando ingere açúcar, explicado pela ciência
julho 09 22:04 2015

O açúcar pode causar efeito no cérebro semelhante ao da cocaína, segundo estudos recentes realizados nos Estados Unidos. Atualmente, há evidências convincentes de que os alimentos ricos em gordura trans, açúcar, glúten e Caseína podem alterar a química do cérebro, da mesma forma como drogas altamente viciantes, como cocaína e heroína.

Alguns cientistas dizem que há dados suficientes para justificar a regulação governamental do setor de fast food e as advertências de saúde pública sobre os produtos que têm níveis perigosos de açúcar e gordura. “Temos que educar as pessoas sobre como seus cérebros são hipnotizados por açúcar…”, disse David Kessler, ex-comissário da FDA (agência reguladora americana de alimentos e medicamentos) e agora diretor do Centro para Ciência no Interesse Público, com sede em Washington DC.

Em 2001 neurocientistas americanos começaram a explorar a idéia de se ter uma base biológica. Eles começaram a procurar sinais de vício em animais que eram alimentados com junk food.

 O açúcar é um ingrediente chave na maioria de junk food.

Os pesquisadores notaram que os cérebros dos ratos liberavam o neurotransmissor dopamina cada vez que tomavam a solução de açúcar, mesmo depois de terem bebido por semanas. A dopamina conduz a busca do prazer, seja com comida, drogas ou sexo. É um produto químico do cérebro vital para a aprendizagem, memória e tomada de decisão. “Eu esperava que ela fosse liberada quando eles comessem um alimento novo”, afirma a neurocientista do estudo, “não com o que eles já estavam habituados. Essa é uma das marcas da dependência de drogas”.

O vício é comumente descrito como um entorpecente dos circuitos de recompensa desencadeado pelo uso excessivo de alguma droga. Isto é exatamente o que acontece no cérebro de indivíduos obesos, segundo Gene-Jack Wang, presidente do departamento médico do US Department of Energys Brookhaven National Laboratory, em Upton, Nova York.

Em outro estudo publicado em 2001 no periódico “The Lancet”, ele descobriu uma deficiência de dopamina no estriado do cérebro de indivíduos obesos que era praticamente idêntico ao dos dependentes de drogas.

  Sessão:
escreva um comentário

Nenhum comentário

Nenhum comentário ainda!

comente primeiro...

Only registered users can comment.