CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO, por Prof. Dr. Newton Nunes.

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO, por Prof. Dr. Newton Nunes.
maio 18 11:57 2017

Consumo máximo de oxigênio (VO2 máx.) – o consumo máximo de oxigênio é considerado um importante indicador do nível de capacidade física e/ou da capacidade aeróbia, aumentando linearmente com o exercício físico. Ele representa a reserva máxima do sistema cardiovascular, definida como a percentagem máxima que o débito cardíaco pode aumentar acima dos níveis normais, afim de atender  as necessidades metabólicas impostas pelo exercício físico. Sabe-se que, dependendo da idade e do treinamento físico a mesma pode aumentar de 200% a 600%, quando comparado com o metabolismo basal. Por conseguinte, durante o exercício físico agudo, nos indivíduos com reserva cardíaca baixa, não existe condições para o aumento adequado do débito cardíaco, afim de permitir o ajuste do organismo  às novas necessidades metabólicas do organismo. Como consequência, ocorre dispneia e fadiga muscular intensa, decorrente da isquemia tecidual e da isquemia muscular.

O consumo de oxigênio correlaciona-se também com o fluxo arterial coronário e, como o coração é um órgão essencialmente aeróbio, extrai, através da rede coronária, mesmo em repouso, uma alta quantidade de O2 do sangue arterial, resultando assim numa grande diferença artério-venosa ,  de aproximadamente 75%, que por sua vez é muito próxima dos limites máximos de liberação de O2 pela hemoglobina. A diferença artério-venosa de oxigênio representa a diferença entre o conteúdo de oxigênio entre o sangue arterial e o sangue venoso misto, que representa a quantidade de oxigênio extraído ou consumido pelos tecidos. Dessa forma, o coração diante do aumento das demandas metabólicas imposta pelo exercício físico, tem que manter a oxigenação a expensas da variação e elevação de fluxo coronário, conhecido como reserva coronária, que pode chegar até 4 a 5 vezes, quando comparado com o fluxo basal.

Dessa forma, o consumo máximo de O2 é definido como a quantidade máxima de O2 que o organismo pode absorver da atmosfera para os alvéolos,transportando,liberando e utilizando  o O2 nos tecidos. Ao mesmo tempo, ele representa o nível de atividade física do indivíduo, que representa a reserva máxima do sistema cardiovascular, Segundo Taylor o mesmo é atingido quando ao aumentar-se a inclinação da esteira em 2.5%, o consumo de O2 permanece estável e/ou quando sua elevação é  menor do que 150 ml O2/minuto. Ao atingir-se o VO2 máximo, a capacidade de transportar e utilizar o O2 através da oxidação celular, desde a atmosfera até os níveis teciduais e que compreende a produção energética dos compostos trifosforados do ciclo de Krebs a nível  mitocondrial, torna-se insuficiente para suprir o aumento da demanda energética imposta pelo exercício físico. No entanto, se o indivíduo testado não atinge o consumo máximo de oxigênio, o mesmo passa a ser considerado como o VO2 pico, definido como o consumo mais alto de oxigênio obtido pelo examinando durante o exame. Neste último caso, o término do exercício é devido a sintomas que não já não foram toleradas pelo indivíduo, tais como cansaço intenso em membros inferiores, dor muscular e/ou dispneia.

Vejam mais sobre o assunto no Instagram: @nunesnewton e no You Tube: Área de Treino

  Sessão: