Benefícios do Treinamento Resistido, por Prof. Dr. Newton Nunes.

Benefícios do Treinamento Resistido, por Prof. Dr. Newton Nunes.
março 17 00:19 2017

Resultado de imagem para resistance training photo freeOs benefícios potenciais do exercício resistido incluem não só melhora na saúde como controle de fatores de risco para doenças cardiovasculares como hipertensão arterial, dislipidemia, sensibilidade à insulina, melhor controle do peso, prevenção de deficiências e quedas e aumento da capacidade funcional.

A inclusão do treinamento de força em programas de reabilitação cardíaca produz efeitos favoráveis ao bem-estar geral do aluno, pois auxilia na melhora da força e da resistência muscular, do metabolismo, da função cardiovascular, evidenciada a partir de aumento do consumo máximo de oxigênio, e do débito cardíaco, além de significante redução da percepção do esforço para atividades submáximas.

O treinamento resistido era contraindicado para indivíduos portadores de cardiopatias. Entretanto, como esses pacientes são normalmente idosos e sedentários, possuindo força e resistência muscular reduzidas, esse treinamento pode auxiliá-los na melhora dessas variáveis, contribuindo para sua saúde geral e qualidade de vida.

Atualmente, o American College of Sports Medicine (2017) tem recomendado os exercícios resistidos em complemento ao treinamento físico aeróbio para a prescrição de treinamento visando à melhora da saúde geral em cardiopatas.

Em relação aos riscos, os exercícios resistidos de baixa intensidade e que não atinjam a fadiga promovem menor sobrecarga cardíaca e, por esse motivo, podem ser utilizados em alunos cardiopatas e hipertensos. Por outro lado, os de alta intensidade e/ou que atinjam a fadiga promovem aumento excessivo da pressão arterial, o que acarreta grande trabalho cardíaco.

O treinamento na musculação para as populações especiais deve ser realizado entre 50% e 70% de uma repetição máxima, duas a três séries com entre 15 e 20 repetições, com pausas entre as séries que permitam a diminuição da pressão arterial antes do início de uma nova. O treinamento resistido é recomendado aliado ao aeróbio em um programa de prevenção e reabilitação cardiovascular, proporcionando melhora na condição física, cardiorrespiratória e metabólica, na resistência muscular localizada e consequentemente na qualidade de vida dos nossos alunos.

Podemos concluir que o treinamento resistido realizado com 15 a 20 repetições deve ser realizado lentamente, seguido por um período de recuperação adequado, com intensidade geralmente na faixa de 50%-70% de 1 RM. Os alunos com menor tolerância ao esforço podem realizar os exercícios de resistência de forma segmentar, por meio de pequenos pesos livres (0,5 a 3 kg) ou cordas elásticas.

Estas são as principais adaptações fisiológicas ao treinamento resistido que nossos alunos (populações especiais) poderão adquirir a partir das primeiras semanas de treinamento:

  • Melhora do equilíbrio estático e dinâmico.
  • Melhora da tolerância a estressores ortostáticos.
  • Aumento da capacidade aeróbia máxima.
  • Aumento da densidade óssea.
  • Aumento do armazenamento do glicogênio muscular.
  • Aumento da sensibilidade à insulina.
  • Aumento da amplitude de movimentos.
  • Aumento da área da fibra muscular e da massa muscular total.
  • Aumento da força, resistência e potência muscular.
  • Aumento da taxa de síntese proteica miofibrilar.
  • Aumento da capacidade de enzimas oxidativas.
  • Aumento do gasto total de energia.
  • Diminuição da massa de tecido adiposo total.
  • Diminuição da isquemia induzida pelo exercício aeróbio, ou seja, aumento do limiar de angina (aumento da frequência cardíaca de positivação).
  • Melhora na composição corporal.
  • Melhora no metabolismo de glicose.
  • Melhora na sensibilidade à insulina.
  • Melhora nos níveis dos lipídios séricos (aumentando os níveis do HDL e diminuindo os de LDL).
  • Diminuição na pressão arterial sistólica e diastólica em repouso e em cargas submáximas.
  • Diminuição do duplo produto (pressão arterial sistólica x frequência cardíaca) em repouso e em cargas submáximas.

Vejam também nossos Videos:

https://www.youtube.com/channel/UCDVvz0ZiosQopc1UrepPyeA

https://www.youtube.com/watch?v=DZbbHT5TKS8

  Sessão: